“Kunuar”, de Luísa Coelho

Não sei até que ponto Luanda é uma cidade de prodígios. Saí de lá há muitos anos e a realidade social e física da capital angolana são diferentes. Certamente, porém, sê-lo-á pelo engenho das suas gentes. Os desafios da vida presente, herdados de uma prolongada e tortuosa guerra civil, corroboram essa perspectiva.

Apesar das contrariedades, o angolano é festivo, ri-se com facilidade e encontra no humor o elixir que o ajuda a colmatar a falta de dinheiro, a fome, a doença, e todos os malefícios da desigualdade social. Apesar dos avanços (a vários níveis) que Angola tem experimentado com o fim da guerra, o país tropeça ainda nos vícios engendrados pelo caos do período pós-colonial,  permitindo que se instalassem no seu seio com raízes profundas.

Quem vem de fora observa com mais facilidade o estado das coisas. É o caso de Luísa Coelho, que nasceu em Angola e regressou ao país após 38 anos de ausência. Doutorada em Literatura Portuguesa – Modernismo – pela Universidade de Utrecht na Holanda, é neste momento Professora na Universidade Agostinho Neto, em Luanda. Já publicou vários livros de ficção. Kunuar (Edições Contra Margem), o seu livro mais recente, engloba composições híbridas, desde a prosa (curta) poética ao poema.

Logo a começar pela capa ficamos perante a força imagética da fotografia (de Solange Escosteguy Cardoso, artista plástica brasileira – pintora, desenhista e escultora): uma mãe angolana, sentada naquilo que parece ser um banco, o braço apoiado na perna direita, a mão aberta, e na qual repousa o queixo. A sua expressão é de alheamento, quiçá de enfado. Entre as pernas tem o filho, descalço, amamentando-se com avidez no seu peito. Ao lado, semi-encoberto, um saco – talvez de arroz, onde se adivinham caracteres chineses. Uma vendedora da praça, dessas que inundam os grandes espaços da capital, expostas à inclemência solar, ao calor tórrido e húmido, ao pó.

Luanda, sobrepovoada, é um universo único. Logo pela manhã, um maremoto de gente atira-se para a rua. O olhar observador voa então sobre essas vidas que partem das esteiras, apressadas, ao ritmo de um quotidiano bamboleante, numa gingação natural, os cordões de missangas dançando com a luz. Falo das quitandeiras, as quindas à cabeça, os filhos pela mão. A poesia de Luísa Coelho, a que brota deste livro, atravessa toda essa simbologia da infância, agora, porém, carregada de outras ressonâncias: “Há dias assim/em que pela beira da estrada empoeirada/caminham em fila/enormes cabeças enfaixadas de lenha/cabeças plastificadas de água/azul/amarela/encarnada,/corpos de mulheres embrulhados em cores/sem rostos/sem neurastenias sem depressões/sem histerias nem prostrações./Esses dias assim, são todos os dias.”

Todo esse mundo que lhe é familiar faz evocar-lhe recordações distantes. Debate-se no entanto com o presente, cuja transformação faz dele um espaço por vezes estranho. Exemplo: o que transparece no poema “Mapa Mundi”, uma referência às cidades cujos nomes mudaram: “E a criança de então,/sou eu/estrangeira naquilo que também é meu.”

A vida muda, é certo, e nessa mudança geram-se fenómenos interiores que absorvem igualmente essa mutação exterior, transformando a pessoa. Kunuar toca-nos pela observância desse drama, pelo seu imenso olhar sobre a existência de um povo a lutar por uma vida digna. É um livro dolorosamente belo, seguro e múltiplo no dizer. E de uma humanidade sem artifícios semânticos nem adjectivos de adorno sentimental. São palavras que ficam connosco, no espírito e no coração. Uma leitura vivificante e com toda a tristeza do fogo que alimenta a nostalgia.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s