Noite

À noite as horas adormecem no relógio. Rodeado de livros e silêncio, o zumbido do Mac gravita sob a febril luz do candeeiro.

A noite –  que  labirinto de ruas acesas de escuridão!

Escrever? Falar dos meus antepassados cujas fotografias habitam os meus genes?

Quando nos vamos afastando de nós próprios e dos outros? O que somos na paisagem dos dias?

Estou sem respostas. Acudam-me:  viajo com abutres pelo calendário do meu deserto.

Anúncios

Um pensamento sobre “Noite

  1. Quando nos afastamos de nós próprios e dos outros, isso serve apenas para, com a distanciação necessária, olharmos, vermos e percebermos, e percebermo-nos num enquadramento mais nítido.
    Estás a fazer mais uma travessia no deserto (sim, acredito que esta não seja a primeira). É fundamental limparmos a mente e a alma dos argueiros que tiram a nitidez com que nos vislumbramos.
    Passará, tudo passará (digo isto também p’ra mim, que tenho uma tendência louca para a asneira, isto é, para me culpar de inculpabilidades…)
    Quando chegares ao lado de cá do deserto, dou-te um forte abraço…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s