Génesis

O que sobra da noite quando adormecemos dentro de nós? A praia longe, o mar que nos cai dos dedos, a impregnação da pedra enquanto o sol deflagra sobre a nossa pele como uma onde de lume? Tantas perguntas nesta hora em que adormeço como uma raiz arrancada da terra. Oiço-me dentro do silêncio e é noite neste mundo em que habito. Descalço os sapatos, as peúgas, e sento-me na escada a ouvir ( e a sentir) o cansaço do meu corpo, velho companheiro. Há quantos anos, meu amigo, me levas pelo mundo? Há quantos anos bate este coração à procura da primeira música? Desde o tempo em que tudo era simples como a rua onde eu crescia.  O universo, acredita, cabia  inteiro à entrada da minha porta africana.

É noite, eu sei. Os meus passos são escuros e os meus pensamentos voam como aves que partem a cada instante das minhas veias.  Vivo no berço de cada impulso de sangue e nalgumas sílabas que atravessam o teu nome desde a primeira aurora do mundo.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s