Mês: Março 2012

A pobreza

Uma sociedade justa e democrática não se orgulha dos seus ricos e dos exageros exibicionistas da opulência. Orgulha-se, sim, de as suas crianças irem para a escola sem fome e de cuidar dos seus idosos e dos seus enfermos. Quem aceita a pobreza como um destino, ao mesmo tempo que não interpreta e não repudia a excessividade material como uma aberração do espírito, não vive na luz mas na escuridão da irresponsabilidade social e sob a frieza mais opressiva que se pode instalar no coração humano.