Mês: Março 2013

Palavras

Pego nas palavras para varrer o chão da memória. Ao fundo, onde a música cresce como uma rosa, há uma sombra onde me sento. Estou numa ilha que invento em cada vírgula, separando horizontes e fronteiras.

Cada palavra é um fruto e cai dos ramos do Verão. Colho-os, sumarentos, e com todo o oiro matinal. Em cada pingo de orvalho onde, cintilante, se espelha a efemeridade, uma ave canta a passagem do olhar.

Anúncios

Primavera

Uma menina passa a correr sobre a relva, o cabelo apanhado atrás numa trança loira. Um corvo grasna do alto de um candeeiro. Num jardim que amanhece espreitam, tímidas, as primeiras cores das tulipas. Apresso-me: vou a caminho da primavera. Quero vê-la a cantar rente ao rosto da água.

PAI

PAI

Os meus dias caíram na água
como um naufrágio de folhas secas.
Caminho lentamente para a idade
com que partiste.
Observo um poente antigo por trás
do teu nome; cega-me
o esplendor desse mistério.
Levanta-se uma revoada de pássaros
num horizonte de neblina.
Confio ser esse o tempo que nos separa.

Eduardo Bettencourt Pinto

Lonely_boat_BW

A sombra e o rosto

Pois é, amigo, estão a levar-te as árvores, as ervas, os frutos, o sol branco das tardes sem fim. O rumor dos rios e das brisas. Não ouves as rodas de uma bicicleta na estrada poeirenta mas o frio corte da guilhotina da civilização  à escala humana. Eu também deixei a floresta, a humidade dos matos, o canto doce dos pássaros. Perdi as minhas sandálias num aeroporto qualquer do mundo. No fundo, tu e eu somos iguais. Ainda bem: os dias que correm não são a nossa infância. Andamos descalços pelos estranhos dias de outros tempos. Um dia voltaremos à madrugada, a mãe da nossa idade.pensador

Domingo à noite

O som da mota do Mauro a perder-se na noite. Depois o silêncio da rua como o sono tranquilo de um felino. Bebo devagar as últimas gotas da Canada Dry. Trouxe livros de Portugal, recordações, e o eco do mar. De Frankfurt a estranha brancura da neve e a poesia de andar sobre ela num dia memorável. Agora, inclinando o olhar sobre os objectos do meu espaço, vou regressando aos meus dias.