A sombra e o rosto

Pois é, amigo, estão a levar-te as árvores, as ervas, os frutos, o sol branco das tardes sem fim. O rumor dos rios e das brisas. Não ouves as rodas de uma bicicleta na estrada poeirenta mas o frio corte da guilhotina da civilização  à escala humana. Eu também deixei a floresta, a humidade dos matos, o canto doce dos pássaros. Perdi as minhas sandálias num aeroporto qualquer do mundo. No fundo, tu e eu somos iguais. Ainda bem: os dias que correm não são a nossa infância. Andamos descalços pelos estranhos dias de outros tempos. Um dia voltaremos à madrugada, a mãe da nossa idade.pensador

Anúncios

Um pensamento sobre “A sombra e o rosto

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s