Um sábado em Ponta Delgada

Portas da cidade
Foto: Eduardo Bettencourt Pinto

Desço a rua da memória numa manhã de sábado. Uma festa de nuvens gravita ao fundo sobre os velhos telhados. Apesar do tom cinzento e carregado, adivinha-se um ar leve, jucundo. Na ilha, as quatro estações dançam sob os acordes do imprevisto.

Ao chegar à esquina, entre a rua da Vila Nova e a avenida Lisboa, volto à esquerda. Avanço lentamente pelo cinzento do inverno. O passeio está húmido, brilhante. Estas pedras que piso, de basalto, acarinham os meus passos. Caminho sem pressa. Uma ilha é uma ponte para o mar. Vou pela rua como no poema de António Machado:

“Caminhante, são teus rastos
o caminho, e nada mais;
caminhante, não há caminho,
faz-se caminho ao andar.
Ao andar faz-se o caminho,
e ao olhar-se para trás
vê-se a senda que jamais
se há-de voltar a pisar.
Caminhante, não há caminho,
somente sulcos no mar.”

No Largo 2 de Março noto o senhor Raúl no outro lado do passeio. Tem os contornos de um cavalheiro do princípio do século XX, trajado como um fidalgo, lenço ao pescoço, boquilha, chapéu preto de feltro. Saúda-me com a solenidade de um patriarca, a mão direita ao alto, branca como uma asa de gaivota. (Só aparece de luvas pretas de cabedal nos dias em que o frio incomoda a sua idade). A esmerada educação, os modos e trato são notáveis, exemplares, de uma nobreza que não é comum em qualquer tempo e lugar. Viveu largos anos nos Estados Unidos e viajou muito. Teve um percurso de filme, cheio. Acumulou memórias e experiências. A sua vida apresenta os contornos de um romance de aventuras. “Uma boa parte dos homens – escreveu Ortega y Gasset – não tem mais vida que a das suas palavras, e os seus sentimentos reduzem-se a uma existência oral”. Quando o senhor Raúl fala, porém, há um regresso inevitável a um mundo a preto e branco. O herói das suas histórias não foi traçado a pulso, palavra a palavra, mas sob a romântica visão do seu universo, sustentado por cânone próprio.

Sigo em direcção à livraria O Gil. Encontro o proprietário, o senhor Gil, por trás do balcão. Sorri, amável, com a tranquilidade e a cortesia de sempre. Eduardo, o funcionário, atarefa-se com embrulhos de livros. Pego no semanário O Jornal, pago, e saio. Vou até à porta da Tabacaria Açoriana. Espreito à procura de um rosto conhecido. As mesas todas tomadas. Decido ir ao café Gil cujo proprietário é agora o João, um jovem do Nordeste. Chegou a Ponta Delgada com a vontade férrea de vencer, e conseguiu-o.

Peço um café e sento-me a uma mesa junto à entrada. Folheio o jornal. Sei que não conseguirei ler. De um momento para o outro entrará um amigo que virá juntar-se a mim. Mas este ritual de sábado, do qual nunca prescindo, tem o conforto de um prazer. Não consiste apenas no odor do café e no cheiro do papel impresso, mas na tranquilidade de uma casa enorme com vozes. Tudo isto constitui uma ilha, inumeráveis mistérios poéticos.

Quando sair do café estarei ao pé do mar. Diante de mim, num grande espectáculo de nuvens, barcos, percursos semânticos de aves e um vasto horizonte de luz. Maior do que a minha vida, invadirá todo o meu ser.

Na memória da ilha, todos os sábado são este sábado, um imenso auditório onde canta o mundo.

Lugar dos Áceres, Fev. 2016
Eduardo Bettencourt Pinto

Anúncios

Um pensamento sobre “Um sábado em Ponta Delgada

  1. Em Ponta Delgada

    A minha rua mais antiga foi a Coronel Miranda, a antiga Rua do Saco, que continua a desembocar no Largo 2 de Março. E era neste largo que tu encontravas sempre, no outro lado do passeio, o Sr. Raúl. Também eu o encontrei algumas vezes, mas só quando ia contigo, meu amigo da rua da Vila Nova. Era como se ele aguardasse que viesses, sozinho ou acompanhado, para que o visses tal qual ele pensava que era. Eu olhava o Sr. Raul como um Dom Quixote dos nossos dias, tentando prolongar no tempo a figura de um cavalheiro de outras eras, um fidalgo de lenço de seda ao pescoço, boquilha de ébano lavrado, chapéu cinzento-escuro de antigo feltro. Mas só tu conseguias ver que o Sr. Raúl nos saudava “com a solenidade de um patriarca, a mão direita ao alto, branca como uma asa de gaivota”. Nesse tempo, eu ainda não via tudo, como tu…
    JArr

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s